Sai “Manu em casa”, entra “salve a família Manu”. Depois do serviço de delivery, um dos melhores, provei, a chef Manu Buffara lançou na semana passada a campanha de financiamento coletivo pelo site Benfeitoria. Foi a solução que encontrou para manter o salário da equipe durante o fechamento temporário.

Nos esforçamos ao máximo para fazer algo com o qual nunca tínhamos trabalhado e o desafio serviu de lição para todos nós, nos unindo cada vez mais e estreitando os nossos laços com os clientes. Porém, o momento atual exige que tenhamos ações cada vez mais responsáveis”, justifica a chef, que acredita que assim será possível sobreviver à crise até retomar as atividades do restaurante.

Passado algumas semanas do impacto da quarentena imposta pela pandemia causada pelo coronavírus, aqui no Brasil, chefs e empresários começam novas articulações. No primeiro momento, a maioria fechou às portas dos seus restaurantes. Muitos continuaram trabalhando com equipe reduzida e apenas atendendo pedidos. Outros, seguiram sem nenhuma atividade. Aos poucos, começam a encontrar outros meios para poder reabrir depois que o pico da pandemia passar. É uma esperança. Mas a receita ainda não está pronta. Vamos errar até achar o ponto certo.

O financiamento do restaurante Manu estará no ar até o começo de junho. A meta é arrecadar R$ 44.942,00, em poucos dias já foi arrecadado 14% do valor estipulado. É possível parcelar a contribuição em até seis vezes. As faixas de apoio vão de R$ 190,00 para participar de um almoço informal que serão realizados em alguns sábados, até um jantar privado no restaurante ou na sua casa, além de uma aula com jantar na casa do cliente. Também é possível definir um valor livremente. Para ajudar visite o site benfeitoria.com/manu.

Ajuda

Tenho comprado de pequenos, pedido comida em casa e divulgado pelas redes sociais, e tentado ajudar quem não tem o que comer. É muito pouco, e depende do tamanho do bolso. Estamos reaprendendo a viver e precisaremos saber planejar o futuro.

Como será o “novo normal”? Questiona o empresário José Eduardo Nicolau Feliz, que é sócio do Lucca Cafés Especiais. “Estou preocupado com toda cadeia da alimentação fora de casa”, desabafa o empresário, que já comprou vários vouchers do programa lançado pelo Bom Gourmet para ajudar os restaurantes e apoiou a campanha da Manu, além de compartilhar nas redes sociais e nos grupos de WhatsApp. Porém, “só apoio e preocupação não resolvem”, salienta. Na opinião dele, as suspensões de contratos de trabalho, dos aluguéis e do pagamento de impostos municipais, não são suficientes para subsistir.

“Seja bom”

O desafio é global e afeta todas as cadeias de produção. Para ajudar os restaurantes é possível também comprar vouchers de vários valores (R$ 40,00, R$ 70,00 ou R$ 100,00) para trocar quando os restaurantes reabrirem. É a campanha do Bom Gourmet/Gazeta do Povo “seja bom” pelo site sejabom.com.br, que entrou no ar na última sexta-feira, 3 de abril. Os valores podem ser utilizados nos restaurantes assim que voltarem a operar e são válidos até 30 de novembro de 2020. A transação é intermediada pelo Ebanx. É possível a compra de 10 vouchers por vez e não há limite de compra por CPF.

Mensagem via Site