O Refettorio está dando o que falar. Ontem, quem chegou para cozinhar lá com os alunos da Gastromotiva foi Alain Ducasse, ele mesmo, o famoso chef francês.

Sardinha grelhada com purê de abobrinha, pesto de salsão e abobrinha grelhada - prato principal do chef Alain Ducasse

Sardinha grelhada com purê de abobrinha, pesto de salsão e abobrinha grelhada – prato principal do chef Alain Ducasse

Um dos seus restaurantes em Paris, recentemente redecorado e reaberto, não serve carne. Os links para as minhas colunas sobre o Plaza Athenée estão aqui e aqui. Nossa enviada especial ao Refettorio Gastromotiva no Rio de Janeiro, a voluntária Pati Bianco, do blog Fru-fruta, que está passando dez dias lá com a incumbência de cuidar das mídias sociais, conversou com ele sobre alimentação sustentável. Comer menos proteína animal e mais produtos orgânicos e da estação é o que ele recomenda e faz.

Os melhores chefs do mundo

Mas não foi apenas Alain Ducasse que passou por lá. Vários chefs já cozinharam no Refettorio Gastromotiva para pessoas carentes indicadas por ONGs cariocas, com ingredientes que seriam descartados. Só gente bacana: Rafa Costa e Silva (Lasai/RJ); Rodolfo Guzman (Boragó/Chile); Thomas Troisgros (Olympe, TT Burguer e Brasserie/RJ); o paranaense Alberto Landgraf; o venezuelano Carlos Garcia; Alex Atala; os mexicanos Ales de la Pena e Jorge Vallejo; e o peruano Renzo Garibaldi, enfim, a lista é enorme. Todos da rede Gastromotiva Rio também já estiveram lá e voltarão para cozinhar, como Claude Troisgros, Kátia Barbosa, Felipe Bronze e Roberta Sudbrack.

Imprensa

Luciano Huck gravou o programa dele na casa da Rua da Lapa, 108, que irá ao ar no próximo sábado. Portanto, TVs ligadas no Caldeirão do Huck, às 14h. Vocês também podem acessar os vídeos que estão no YouTube para conhecer mais o projeto. Ontem, foi a vez da NBC News passar lá, veja aqui como foi. Não temos fotos das pessoas jantando porque não são permitidas, apesar de algumas pessoas publicarem nas redes sociais.

Detalhes da obra

O projeto do Refettorio é do Metro Arquitetos, de São Paulo. Os móveis foram desenhados pelos irmãos Campana, com compensado naval doado pelo Espaço da Madeira. A prefeitura do Rio doou o terreno. Vik Muniz, amigo do casal Bottura – ele é casado com a artista plástica Laura Gilmore -, fez a curadoria e doou uma versão da Santa Ceia, e também convidou o artista francês JR e os paulistas Os Gêmeos para aderirem ao projeto. A Souza Camargo ficou responsável pela construção, seus funcionários que trabalharam com afinco para cumprir o apertado cronograma das obras – apenas sete meses – já jantaram lá. Maneco Quinderé cuidou da iluminação. Todos são voluntários. O Refettorio está marcado na história da cidade e esperamos do país, com o exemplo dessa turma toda. Depois das Olimpíadas, o espaço continuará funcionando com os cozinheiros da Gastromotiva, quem almoçar no restaurante pagará o jantar para quem não tem condições. O astral lá é de muita alegria e emoção, esse é o comentário mais ouvido, nesta semana teve até apresentação de coral. O jantar com música ficou com o grupo “Uma Só Voz”, projeto do British Council Brasil.

Massimo Bottura

O chef italiano Massimo Bottura cozinhando no RefettoRio Gastromotiva. Foto Angelo Dal Bó

O chef italiano Massimo Bottura cozinhando no RefettoRio Gastromotiva. Foto Angelo Dal Bó

Agora, Massimo Bottura chama a atenção de todo mundo que passa pelo lugar. Todos os voluntários com quem tenho conversado se dizem surpresos com a simplicidade, carisma e simpatia do chef italiano número um do mundo com o seu Osteria Francescana, em Modena. Ele é um dos idealizadores e responsáveis por viabilizar o Refettorio aqui juntamente com o criador da Gastromotiva, o curitibano David Hertz, e a jornalista Alexandra Forbes.

O chef curitibano David Herttz, da Gastromotiva, que ao lado de Massimo Bottura e da jornalista Ale Forbes são os responsáveis pelo RefettoRio. Foto de Angelo Dal Bó

O chef curitibano David Herttz, da Gastromotiva, que ao lado de Massimo Bottura e da jornalista Ale Forbes são os responsáveis pelo RefettoRio. Foto de Angelo Dal Bó

Bottura montou no Rio o mesmo modelo que havia criado para a Expo Milão 2015. A ONG que ele fundou, a Food for Soul, ajudou a viabilizar a iniciativa no Brasil. Incansável, ele veio com a família, chegou antes da abertura e não para. Recolhe ingredientes do caminhão, experimenta a comida, divide a prova com outros cozinheiros da Gastromotiva, finaliza pratos, recebe os convidados, tira fotos e dá entrevistas, contagia todos com sua alegria e espontaneidade. “Não somos rock stars”, costuma dizer sem nenhuma afetação, aliás, não sabe o que é isso.

Bottura em ação

Bottura em ação

Tive a oportunidade de conhecê-lo durante um jantar excepcional numa noite de forte nevasca na Itália. A intenção era voltar a Milão no mesmo dia, porém, Bottura não permitiu, “muito perigoso”, e tratou de reservar um hotel para nós. Eu estava com a jornalista Luciana Bianchi, que é sua amiga, e os chefs brasileiros Thiago e Felipe Castanho, do Remanso do Bosque. Foram momentos inesquecíveis.

Ele é realmente uma pessoa incrível. É famoso o episódio em que ajudou os produtores de queijo da sua região. Quase toda produção do queijo Parmegiano Reggiano de 2012 seria perdida pela destruição causada por um terremoto. Imediatamente, Bottura criou uma receita com o queijo, que pudesse ser feita em qualquer lugar, e convocou os chefs para prepararem. Ninguém perdeu o emprego, nem fechou às portas. O reconhecimento da população local veio quando seu restaurante ganhou a terceira estrela Michelin. Foi uma grande festa, com todos festejando a vitória nas ruas da pequena cidade. Um privilégio para os brasileiros poder aprender com ele a exercitar a compaixão e a mudar realidades.

Fru-Fruta

Pati Bianco com Alain Ducasse no RefettoRio Gastromotiva

Pati Bianco com Alain Ducasse no RefettoRio Gastromotiva

Pati Bianco procurou uma amiga porque queria identificar uma iniciativa que fizesse trabalho social. Assim descobriu a Gastromotiva, que desembarca em Curitiba – as aulas começarão em setembro na Universidade Positivo, as inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo site. Link aqui.  Ela não teve dúvidas na hora de adotar o projeto que faz a inclusão social pela gastronomia. Gastromotiva é assim, desperta amor ao primeiro contato. Pati é designer e apaixonada por gastronomia, “vem tomando conta da minha vida”, diz a autora do blog Fru-Fruta, que surgiu da vontade de fazer com que as pessoas vejam que não é muito difícil cozinhar em casa, assim como consumir alimentos mais saudáveis. “Com poucos ingredientes é possível sim fazer pratos nutritivos. Tento seduzir as pessoas para que cozinhem em casa”, confessa a blogueira que capricha nas imagens e arrumação dos pratos para isso.

Mensagem via Site