Uma vez em um evento de gastronomia, no Paraná, que tratava da valorização de uma raça de porco autóctone resgatada, ele me laçou para rodopiar em um vanerão, dança típica do Sul do Brasil.

Sem se importar com quem eu era e sem qualquer intenção, simplesmente porque a música tocava e o clima inspirava. Assim é João Ferraz, um doutor historiador, estudioso, sagaz, enfim, homem cheio de predicados, um deles esse que eu contei acima, fazer amizade fácil, se aproximar das pessoas para conhecer, entender quem são e o que pensam e depois refletir e contar. Ele não é de superfície, é de profundidade.

Assim surgiu a Casa do Carbonara, que muita gente pensa que o local, onde recebe amigos sempre com excelente comida – são famosos os jantares de final de ano com cozinheiros premiados ou não –, é um restaurante. Assim seu interesse pela gastronomia o levou mundo afora para comer e refletir sobre o ato, e, claro, ficar amigo de muitos chefs.

Discussão chega ao público

Em 2016, desses contatos surgiu o impulso de gravar depoimentos, nascia um canal do Youtube. Em 2018, o projeto foi ganhando forma, daí já com a participação do Fábio Meirelles, para virar um documentário.

“Eram temas que os cozinheiros lidavam e que eu estudava. Pensei em trazer isso ao público e mostrar outra face da gastronomia, menos relacionada com o mercado de luxo e hedonismo e mais próxima da relação com a natureza, formação de memória, território e identidade, que são temas importantes”, explica.

Estudos contemporâneos

“Cozinheiros como interpretes. Vi a prática”,resume Ferraz.

A paranaense Manu Buffara ficou honrada em participar do documentário ao lado de pessoas que são referência na gastronomia nacional e internacional. “Quando criamos um prato mostramos a nossa história. E quanto mais a gente viaja e conhece mais sobre técnicas e culturas, a relação com a natureza, com os produtos e produtores, entendemos o valor, a importância e a relação com a sociedade, a nossa responsabilidade e passamos a cozinhar melhor, o documentário mostra isso”, conta a chef.

O filme também evidencia como o mundo está produzindo e consumindo alimentos e a relação com a crise ambiental e como os chefs podem ser responsáveis por promover mudanças.

Com alguns roteiros escritos no currículo e envolvido em projetos sobre a cultura brasileira desde 2005, é o primeiro trabalho de direção de Ferraz, que viajou com uma equipe pequena, financiamento privado, “câmera embaixo do braço, como uma guerrilha”.

Conhecer o que pensam e fazem 25 chefs, profissionais mais proeminentes no setor, portanto, considero uma obrigação.

Serviço:

Exibição do documentário Behind the plate – A terra e o prato
Data:  11 de dezembro
Horários:

18h debate com João Ferraz e os chefs Dan Barber e Christian Puglisi

19h exibição do filme
Evento online e gratuito
Inscrições: www.mesaregeneracao.com.br e em todos os canais digitais da Prazeres da Mesa

Mensagem via Site